Rede Hits FM

MACAÉ
ITAPERUNA
SJB / CAMPOS
PUBLICIDADE

Trabalhador gasta mais de R$ 40 por dia para almoçar fora de casa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email

Trabalhador gasta mais de R$ 40 por dia para almoçar fora de casa


Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Comida
FOTO - JULIA CHEQUER
Comida
FOTO - JULIA CHEQUER

O trabalhador brasileiro gasta, em média, R$ 40,64 com o almoço fora de casa nos dias de expediente. Esse valor é 17,4% mais alto que o cobrado em 2019, antes da pandemia, como mostra a pesquisa Preço Médio da Refeição Fora do Lar, realizada pelo empresa Mosaiclab para a ABBT (Associação Brasileira das Empresas de Benefícios ao Trabalhador). A capital que tem o almoço mais caro do país é São Luís (MA), com custo médio de R$ 51,91.

O estudo, feito entre fevereiro e abril de 2022, classifica o Rio de Janeiro como a segunda capital de estado onde o trabalhador paga mais caro pelo almoço: R$ 47,09. Florianópolis (SC) está em terceiro lugar, R$ 46,75, em quarto vem Aracaju (SE), R$ 46,11, e na quinta posição aparece Natal (RN), com o preço médio de R$ 44,78.

Fazem parte da pesquisa estabelecimentos de 51 cidades brasileiras e do Distrito Federal, que aceitam o benefício vale-refeição como forma de pagamento. Para o cálculo, considera-se o que o PAT (Programa de Alimentação do Trabalhador), vinculado ao governo federal, julga ser uma refeição ideal: prato pronto, bebida (refrigerante, água ou suco), sobremesa e café.

A cidade de São Paulo está no sexto lugar entre as capitais onde o almoço custa mais caro, com preço médio de R$ 43,27. No estado, para almoçar fora de casa, o trabalhor paga, em média, R$ 43,01, o que representa uma alta de 19% na comparação com o mesmo período de 2019, ano em que foi realizada a última edição desse levantamento.

Para chegar ao preço médio praticado no estado, foram pesquisados restaurantes onde pode ser usado como forma de pagamento o vale-refeição, na capital, região metropolitana, interior e litoral. As cidades consideradas no cálculo do preço médio estadual foram: São Paulo, Barueri, Guarulhos, Osasco, Santo André, Diadema, São Bernardo, São Caetano, Taboão da Serra, Jundiaí, Ribeirão Preto, Campinas, São José dos Campos, Sorocaba e Santos.

“Apesar do aumento, os restaurantes estão se adaptando à nova realidade do mercado, trazida pela pandemia de Covid-19, evitando repassar o aumento dos custos aos trabalhadores”, afirma Jessica Srour, diretora-executiva da ABBT. Ela diz que isso pode ser observado pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor), apurado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Os dados divulgados em abril, o mesmo período da pesquisa, mostram uma variação acumulada da inflação de 12,13% nos últimos 12 meses, sendo 6,63% o índice do aumento dos preços da alimentação fora do lar no mesmo intervalo de tempo e 16,12% a evolução dos preços da alimentação no domicílio.

“O setor de bares e restaurantes continua em dificuldades, por isso os donos dos estabelecimentos estão fazendo o que podem para manter e atrair clientes. Tentam economizar ao máximo, infelizmente tiveram de demitir, enxugam gastos onde podem, mudam para lugares mais baratos, diminuem a margem de ganhos, e até colocam a mulher para trabalhar”, conta Percival Maricato, diretor institucional da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes).

Ele diz que somente a refeição, em São Paulo, se for em restaurantes por quilo ou bufês, custa em torno de R$ 30, R$ 35, mas, ao adicionar bebida, café e sobremesa, atinge e até supera o valor médio obtido pela pesquisa da ABBT. “Mas, se a pessoa optar pelos locais que servem prato feito, o preço é menor, pode chegar à metade disso”, completa.

Levando em conta o preço médio nacional do almoço, R$ 40,64, um profissional que não recebe da empresa um auxílio para refeição e se alimenta fora de casa cinco dias por semana tem de desembolsar R$ 894,08 por mês. “Por isso, a Pesquisa Preço Médio da ABBT é um importante termômetro para as empresas concederem o benefício adequado às necessidades de seus funcionários. A evolução dos preços dos alimentos reforça a importância desse tipo de benefício para que o trabalhador tenha acesso a refeições de qualidade, nutritivas e equilibradas”, avalia Jessica.

“Os empresários do setor ainda estão inseguros, esperavam voltar à realidade anterior, mas o cenário continua desfavorável, com inflação alta, perda de renda da população. Muitos sobrevivem graças aos vales refeição. Infelizmente, a projeção é de uma melhora mais demorada”, diz o diretor da Abrasel.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
PUBLICIDADE

Destaques do dia
PUBLICIDADE
Fique sabendo
PUBLICIDADE
Promoções
Podcasts
PUBLICIDADE