Rede Hits FM

MACAÉ
ITAPERUNA
SJB / CAMPOS
PUBLICIDADE

Sem tratamento, 25% dos brasileiros estarão com obesidade em 2030

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email

Sem tratamento, 25% dos brasileiros estarão com obesidade em 2030


Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Obesidade
Foto: Reprodução
Obesidade
Foto: Reprodução

O número de obesos no Brasil chegou a 22,35% da população em 2021. O índice foi superior ao do ano anterior, que marcou 21,55%. Antes da pandemia, em 2019, a taxa era menor, estava em 20,27%. Os dados são da pesquisa Vigitel 2021, do Ministério da Saúde. Um dado ainda mais alarmante: quase seis em cada 10 brasileiros estavam com sobrepeso no ano passado. Assim como no caso da obesidade, houve um crescimento do sobrepeso durante a pandemia.

Índice de Obesidade
Foto: Divulgação/Clínica da Obesidade

“A projeção é que, em 2030, mais de um quarto da população esteja obesa. Isso representará mais hipertensão, diabetes, infartos e AVCs. Vamos ter um aumento gigantesco das despesas de saúde pública. Precisamos lidar de maneira séria. Ainda há tempo de tentar estabilizar os números e, no futuro, conseguir recuar. Mas, infelizmente, a projeção é que tenha cada vez mais pessoas adoecendo.”

Caiaque Petronilo, médico da Clínica da Obesidade
Superar a obesidade com tratamento por internação
O tema não deve ser estigmatizado ou reduzido, a obesidade é uma doença crônica. “Não devemos tratar o obeso como um ‘gordinho’. A obesidade é classificada como doença pela Organização Mundial de Saúde (OMS). E, já há algum tempo, é um problema de saúde pública”, explica Petronilo.

Existem tratamentos diversos para a obesidade. Muitas vezes, pessoas com essa condição tentam dietas restritivas absurdas, que até diminuem um pouco o peso na balança, mas não mudam verdadeiramente os hábitos nem tratam o problema na raiz. Logo, o peso e as demais doenças desenvolvidas pela obesidade retornam e até pioram.

O principal ponto de defesa do método de imersão no tratamento da obesidade, especialmente a obesidade mórbida, é a necessidade — muito evidente em grande parte dos casos — de retirar o paciente do ambiente cotidiano para a garantia de melhores resultados.

Tal necessidade se mostra devido à associação de fatores ambientais às causa da obesidade, que envolvem o círculo de relações sociais do paciente, os hábitos alimentares da família, a eventual carga de estresse e ansiedade a qual é submetido nos ambientes da vida cotidiana, entre muitos outros fatores que podem estar – e até muito provavelmente estão – ligados de maneira permanente às origens da obesidade a ser tratada.

Sem cirurgia, além do emagrecimento, o paciente trata todas as doenças associadas e leva para casa novos hábitos, uma vez que fica imerso, distante de pessoas, emoções ou situações que o levaram ao adoecimento. Além de aprender técnicas para ressignificar essas relações.

No tratamento intensivo da Clínica da Obesidade, o paciente é acompanhado diariamente por uma equipe transdisciplinar com mais de 70 profissionais, entre médicos (clínicos, endocrinologistas, ortopedistas, psiquiatras e cardiologistas), psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas, equipe de enfermagem, terapeutas ocupacionais, educadores físicos e professor de autoconhecimento. Essa abordagem garante que a pessoa tenha um tratamento completo, combatendo todas as causas da obesidade, ou seja, atuando na origem do problema.

Durante o tratamento, os pacientes recebem acompanhamento médico de diferentes especialidades, um plano alimentar individualizado, baseado nas características e necessidades físicas, apoio psicológico, psiquiátrico e da parte da terapia ocupacional. Recebem também um atendimento completo do ponto de vista fisioterapêutico, com uma equipe especializada e um grande centro de fisioterapia com equipamentos de última geração, uma academia completa, com profissionais qualificados em atendimento a pessoas com obesidade, além do atendimento de urgência e emergência 24h.

A clínica tem uma estrutura de 150 mil m², com a maior parte em área verde, onde os pacientes podem ter contato direto com a natureza. No local, os pacientes encontram uma verdadeira comunidade, onde todos estão em busca do mesmo objetivo: uma vida saudável. A clínica oferece atividades ao ar livre, programas terapêuticos e oficinas de culinária, por exemplo. Tudo para que o paciente se sinta bem no local e saia sabendo controlar a doença e com subsídio para combater a obesidade pelo resto da vida.

É importante lembrar que a obesidade não tem apenas uma causa. Pode ser desencadeada por vários fatores, como biológicos, psicológicos e comportamentais, socioculturais, ambientais e econômicos. Por isso, o atendimento multidisciplinar se faz tão importante.

“Devemos ressaltar que as doenças de base endocrinológicas que culminam com a obesidade representam um percentual pequeno das pessoas que são obesas. Em resumo, a obesidade é uma doença de causa multifatorial, mas o principal fator é o a mudança do estilo de vida para um cenário de sedentarismo, alimentação inadequada, com alimentos processados, industrializados, refinados, estresse excessivo, muita ansiedade e alteração de sono”, alerta o médico. Petronilo aponta ainda que “uma pessoa que se mantém obesa tem a expectativa de vida reduzida em oito a 10 anos”, finaliza.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
PUBLICIDADE

Destaques do dia
PUBLICIDADE
Fique sabendo
PUBLICIDADE
Promoções
Podcasts
PUBLICIDADE