Rede Hits FM

MACAÉ
ITAPERUNA
SJB / CAMPOS
PUBLICIDADE

Valores das bandeiras da conta de luz são reajustados em até 63,7%

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email

Valores das bandeiras da conta de luz são reajustados em até 63,7%


Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Energia
Foto: Reprodução
Energia
Foto: Reprodução

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aprovou nesta terça-feira (21) novos valores das bandeiras tarifárias para o período de julho de 2022 a junho de 2023. A medida foi decidida pela Diretoria Colegiada da agência. A bandeira tarifária de julho será anunciada na sexta-feira (24), já com os novos valores.

A bandeira verde, assim como em anos anteriores, não terá custo para o consumidor e servirá para sinalizar condições favoráveis de geração de energia. Já a bandeira amarela passa de R$ 1,874 para R$ 2,989 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos no mês, um aumento de 59,3%.

A bandeira tarifária vermelha patamar 1 foi atualizada de R$ 3,971 para R$ 6,50 a cada 100 kWh, alta de 63,7%. No caso da bandeira vermelha patamar 2, o valor aprovado pela Aneel aumenta de R$ 9,492 para R$ 9,795 a cada 100 kWh, reajuste de 3,2%.

Bandeiras tarifárias – julho de 2022 a junho de 2023
• Bandeira Verde
Condições favoráveis de geração
Sem custo adicional

• Bandeira Amarela
Condições menos favoráveis
R$ 2,989 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos

• Bandeira Vermelha 1
Condições desfavoráveis
R$ 6,500 a cada 100 kWh consumidos

• Bandeira Vermelha 2
Condições muito desfavoráveis
R$ 9,795 a cada 100 kWh consumidos

Cálculo
Segundo a Aneel, o recálculo retorna à metodologia seguida pelas bandeiras tarifárias desde 2016, na qual a bandeira vermelha patamar 2 cobre 95% dos eventos históricos conhecidos (e não 100% como no segundo semestre de 2021).

“O acréscimo verificado nos valores se deve, entre outros, os dados do mercado de compra de energia durante o período de escassez hídrica em 2021, o custo do despacho térmico em razão da alta do custo dos combustíveis e a correção pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que fechou 2021 com aumento de 10,06%”, afirma a agência em nota.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
PUBLICIDADE

Destaques do dia
PUBLICIDADE
Fique sabendo
PUBLICIDADE
Promoções
Podcasts
PUBLICIDADE