Rede Hits FM

MACAÉ
ITAPERUNA
SJB / CAMPOS
PUBLICIDADE

Ministro da Defesa diz a TSE que indicará militares para fiscalizar votação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email

Ministro da Defesa diz a TSE que indicará militares para fiscalizar votação


Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, atual ministro da Defesa
Foto: Reprodução Exército
Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, atual ministro da Defesa
Foto: Reprodução Exército

O ministro da Defesa, general Paulo Sergio, enviou um novo ofício ao presidente do TSE, ministro Edson Fachin, no início da noite desta segunda-feira (20), informando que a fiscalização da votação deve acontecer de forma conjunta pelas entidades fiscalizadoras, como prevê a resolução do TSE, e que vai indicar militares para a tarefa. No ofício, Paulo Sergio diz que as Forças Armadas indicarão um nome para compor essa equipe fiscalizadora e pede que Fachin indique um técnico para realizar as tratativas.

“Informo que, à luz do disposto no art. 6º da Resolução nº 23.673-TSE, de 14 de dezembro de 2021, a participação das Forças Armadas como entidades fiscalizadoras do sistema eletrônico de votação dar-se-á de forma conjunta, por intermédio de uma equipe de técnicos militares, cujos nomes serão encaminhados a esse Tribunal oportunamente”, escreveu o ministro. O artigo citado pelo ministro lista as entidades consideradas fiscalizadoras e que são apontadas como legítimas para participar do processo. Além das Forças Armadas, há quase vinte instituições previstas, como partidos políticos, a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Ministério Público, Congresso Nacional e Supremo Tribunal Federal. O general pede ainda para “facilitar a coordenação das ações que efetivem a aludida participação” que Fachin indique um servidor do TSE “como ponto de contato para a equipe supramencionada”.

Sequência de ofícios Paulo Sergio e Fachin têm trocado ofícios sobre questionamentos feitos pelas Forças Armadas a respeito do sistema de votação brasileiro. Há dez dias, em um desses ofícios, o ministro da Defesa afirmou que as Forças Armadas não se sentiam “devidamente prestigiadas” para integrar a CTE (Comissão de Transparência das Eleições). Três dias depois, Fachin respondeu ressaltando o “necessário diálogo institucional” como meio para fortalecer a democracia. Desde então, o tom da troca de mensagens tem girado em torno na necessidade de diálogo, ainda com Paulo Sergio cobrando uma reunião presencial entre os técnicos para voltar a discutir as sugestões dos militares. Apesar de não ter citado novamente a tentativa desta reunião presencial, no ofício enviado pelo ministro da Defesa pela manhã, ele já havia feito essa cobrança. “Reitero a necessidade de realizar uma reunião específica entre as equipes técnicas do Tribunal e das Forças Armadas, haja vista que o aprofundamento da discussão acerca de aspectos técnicos complexos suscita tempo e interação presencial, que não estão contemplados na supramencionada reunião da CTE/OTE”, escreveu. Em entrevista à CNN, Fachin afirmou que não há previsão de reunião fechada com as Forças Armadas. Segundo Fachin, o diálogo sobre eleições acontece no âmbito da Comissão de Transparência das Eleições (CTE) e do Observatório de Transparência das Eleições (OTE), e que as Forças Armadas já participam.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
PUBLICIDADE

Destaques do dia
PUBLICIDADE
Fique sabendo
PUBLICIDADE
Promoções
Podcasts
PUBLICIDADE