OUÇA AO VIVO

Dá Gosto de Ouvir!

Lula defende financiamento do BNDES a países alvo da Lava Jato

WhatsApp Image 2023-01-24 at 18.03.50

O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, disse que “fará um esforço” para que o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) volte a financiar projetos de países vizinhos. No passado, o banco financiou construtoras brasileiras em países da América Latina e África que foram foco de investigações anticorrupção na operação Lava Jato. Lula deu a declaração durante um encontro com o presidente argentino, Alberto Fernández, em Buenos Aires. Os dois participaram de uma agenda com empresários dos dois países.

Segundo Lula, a segunda-feira marcou o dia da retomada de uma relação “que jamais deveria ter sido truncada”. “É assim que países maiores têm que fazer, ajudar países com menos condições. Se temos um banco para isso, vamos criar condições para fazer o financiamento para ajudar o gasoduto. Acho que pode e é necessário que o Brasil ajude no financiamento para outros países. É isso que vamos fazer dentro das condições econômicas do nosso país”, declarou Lula.

Vaca Muerta
Interessado em financiamento do BNDES para exportar gás de xisto da região de Vaca Muerta, na Argentina, para o Brasil, o presidente argentino, Alberto Fernández, afirmou nesta segunda-feira que seu país tem “inveja” do banco público brasileiro. “Eu não sei o que acontece no Brasil, mas aqui na Argentina nós só temos inveja do BNDES. É uma ferramenta de crescimento sensacional que soube ser aproveitada durante longos anos”, declarou o líder estrangeiro após encontro com o presidente Lula.

Segundo Fernández, ele e Lula têm a mesma visão sobre o papel dos bancos públicos. “Temos que licitar imediatamente a segunda parte do gasoduto para aproveitar a inércia da construção da primeira etapa e tratar rapidamente de chegar a esse ponto de união e transpassar o gás de que o Brasil precisa. E mais quando os dois países estão sofrendo a declinação na produção de gás da Bolívia”, disse Fernández. “A decisão de que o BNDES faça financiamentos está nas mãos do Brasil”, acrescentou.