Rede Hits FM

MACAÉ
ITAPERUNA
SJB / CAMPOS
PUBLICIDADE

Justiça decreta prisão e extradição de empresário acusado de comprar votos da Olimpíada do Rio

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email

Justiça decreta prisão e extradição de empresário acusado de comprar votos da Olimpíada do Rio


Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email

A Justiça do Rio de Janeiro decretou, nesta quinta-feira (12), a prisão e a extradição do empresário Arthur César de Menezes Soares Filho, conhecido como Rei Arthur. Ele, que é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro, atualmente cumpre pena nos Estados Unidos por ter comprado votos para a realização da Olimpíada do Rio, em 2016.

A determinação é do juiz Marcello Rubioli, da 1ª Vara Criminal Especializada, que também ordenou o afastamento de Ângelo Ribeiro de Almeida Júnior, antigo titular da Defaz (Delegacia de Justiça Fazendária), das funções exercidas como delegado de polícia e na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio).

O magistrado determinou, ainda, busca e apreensão de aparelhos eletrônicos dos dois acusados.

A denúncia do Ministério Público estadual apurou que Arthur transferiu, por meio de uma de suas empresas, R$ 2 milhões a Ângelo e sua esposa para que adquirissem uma franquia de um restaurante francês em Ipanema, na zona sul da cidade.

De acordo com as investigações, o suposto empréstimo seria utilizado como moeda de troca para que os inquéritos realizados pela Defaz não fossem desfavoráveis ao empresário. Ainda segundo o MP, mesmo após o restaurante falir, Arthur não demonstrou interesse em receber o valor perdido.
O delegado é também investigado pelo MP por indícios de enriquecimento ilícito durante seu período de atuação na Defaz, de 2008 a 2015. Segundo o órgão, nesses anos, os inquéritos que tinham Arthur como alvo tramitavam sem conclusão.

Após ser afastado da delegacia, Ângelo foi cedido à Alerj por meio do então deputado Jorge Picciani. Na Casa, ele teria impedido o andamento de investigações utilizando uma rede de influências, segundo a denúncia.

Em nota, a Polícia Civil afirmou que ainda não foi notificada sobre a decisão judicial. A Alerj também declarou que não foi informada da determinação, mas antecipou que irá cumprir a ordem da Justiça.

Os advogados Rafael Faria e Larissa Paes Leme, que representam Ângelo Ribeiro, divulgaram nota na qual consideram “lamentável” que o contrato afirmado entre as duas partes esteja sendo interpretado de forma equivocada.

A defesa também alegou que não houve arquivamento de investigação em benefício do empresário e que tem “certeza que a Justiça reconhecerá a improcedência da denúncia”.

Já o advogado de Arthur Soares afirmou que a denúncia se trata, até o momento, de uma acusação formal, que ainda depende da confirmação dos fatos narrados. De acordo com o representante, a promotoria pode, ao final do processo e após ouvir a defesa, pedir a absolvição do empresário.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email

Destaques do dia
Fique sabendo
Fique sabendo
PUBLICIDADE
Podcasts
Promoções
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Fique sabendo
PUBLICIDADE
Promoções
Podcasts
PUBLICIDADE