Rede Hits FM

MACAÉ
ITAPERUNA
SJB / CAMPOS
PUBLICIDADE

Estudo comprova benefícios do rastreamento para tratamento do câncer de mama

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email

Estudo comprova benefícios do rastreamento para tratamento do câncer de mama


Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Câncer de mama
Foto: Reprodução/Forbes
Câncer de mama
Foto: Reprodução/Forbes

A Sociedade Brasileira de Mastologia, seguindo a indicação de diversas entidades internacionais, recomenda “a mamografia de rastreamento (screening) anual a partir dos 40 anos para mulheres de risco habitual e a partir dos 30 anos para mulheres de alto risco”. Já segundo as diretrizes do Ministério da Saúde, o exame de rastreamento para câncer de mama deve ser realizado no período de dois em dois anos, a partir dos 50 anos, e anualmente a partir dos 35 anos para mulheres de alto risco. O diagnóstico precoce e o início rápido do tratamento, de acordo com dados internacionais, podem diminuir a mortalidade por câncer de mama em até 30%, com menor número de cirurgias radicais e sequelas.

Um estudo americano apresentado recentemente comprova a contribuição do screening na melhoria dos tratamentos para doença precoce e avançada. A partir de uma análise do Banco de Dados Nacional dos Estados Unidos, com informações de 2000 até 2017, e utilizando modelos matemáticos, a pesquisa estimou o ganho obtido nos últimos anos com a adoção do rastreamento para o câncer de mama. A primeira conclusão importante é que houve uma queda significativa na mortalidade atribuída à doença em 2000 versus 2017. A redução do número de óbitos, que era de 35% em 2000, passou para 48% em 2017 para a doença precoce, o que indica um aumento de 13% de pessoas salvas nesse período graças ao screening. Do mesmo modo, a mortalidade por câncer de mama metastático também diminuiu, de 23% para 20%.

Avaliando mais profundamente os dados, observamos que a sobrevida livre de recorrência à distância em 10 anos era de 82% em 2000 e passou para 87% em 2017 para os tumores como um todo. Quando focamos nos tumores HER2 positivo (cânceres bastante agressivos), o índice passou de 78% para 90% de sobrevida livre de metástase. Portanto, para a população como um todo, houve aumento de sobrevida de 5% e, para pacientes HER2 positivo, o aumento foi de 12% da população que ficou 10 anos sem metástase depois do tratamento local. Na doença metastática, a sobrevida aumentou de 1,48 ano em 2000 para 2,8 anos em 2017, demonstrando importantes ganhos secundários à melhora no tratamento, tanto para a doença precoce quanto para a doença avançada, e também avanços em relação à mamografia. Acompanhar esses avanços e descobertas permite garantir melhores prognósticos e, consequentemente, resultados mais assertivos para os pacientes. Converse com seu médico sobre o rastreamento do câncer de mama e escolha a melhor estratégia para prevenção e diagnóstico precoce.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
PUBLICIDADE

Destaques do dia
PUBLICIDADE
Fique sabendo
PUBLICIDADE
Promoções
Podcasts
PUBLICIDADE