Rede Hits FM

MACAÉ
ITAPERUNA
SJB / CAMPOS
PUBLICIDADE

“Combustíveis estão caindo, ninguém me culpa agora, né?”, questiona Bolsonaro

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email

“Combustíveis estão caindo, ninguém me culpa agora, né?”, questiona Bolsonaro


Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Posto
Foto: Reprodução
Posto
Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (PL) exaltou a queda dos preços de combustíveis a apoiadores nesta quinta-feira (7) em Brasília. “Os combustíveis caindo bastante, ninguém me culpa agora né?“, questionou em conversa no cercadinho do Palácio da Alvorada. O diálogo foi publicado no YouTube pelo canal Notícias do Brasil.

Na semana passada, os estados passaram a adotar uma alíquota fixa para o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) sobre os combustíveis, atendendo ao texto aprovado pelo Congresso. O projeto teve articulação de aliados do presidente, que acusava os governadores de cobrarem taxas excessivas da população.

A redução do imposto fez a média nacional do preço da gasolina comum cair R$ 0,26 na semana passada, segundo dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A lei havia determinado que os governos estaduais não podem cobrar impostos dos combustíveis superior à alíquota geral do ICMS, que costuma ficar em 17% ou 18%.

“Cai combustível, cai inflação, não temos desabastecimento, não temos problemas internos, não temos terrorismos”, afirmou Bolsonaro, comparando o cenário brasileiro ao vivido em países europeus. O continente enfrenta dificuldades por causa da guerra.

“As barreiras econômicas dos Estados Unidos e da Europa contra a Rússia não deram certo”, disse Bolsonaro. “A minha linha foi a do equilíbrio”, declarou. O presidente chegou a visitar o presidente russo, Vladimir Putin, às vésperas do início do conflito, em fevereiro. Na época, Bolsonaro disse que o Brasil era “solidário à Rússia”.

Lula critica decreto de Bolsonaro
O presidente editou um decreto nesta quinta-feira (7) que obriga os postos a exibirem os preços dos combustíveis praticados em 22 de junho de 2022, data anterior à sanção do projeto de lei que estabeleceu o teto para o ICMS. O candidato do PT ao Planalto, Luiz Inácio Lula da Silva, criticou o ato.

“Bolsonaro quer que postos mostrem o ICMS ao lado do preço da gasolina. Mas quem decidiu o preço dolarizado foi o presidente da Petrobrás, escolhido por ele”, escreveu o ex-presidente Lula no Twitter.

O petista tem se colocado contra a política de paridade de preços internacionais da Petrobras.

“Como presidente, enfrentei uma crise em 2008, o barril foi para 147 dólares e a gasolina era R$ 2,60”, disse. Na época, a estatal não corrigia a cifra dos combustíveis de acordo com os valores no exterior.

Debate
A CNN realizará o primeiro debate presidencial de 2022. O confronto entre os candidatos será transmitido ao vivo em 6 de agosto, pela TV e por nossas plataformas digitais.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
PUBLICIDADE

Destaques do dia
PUBLICIDADE
Fique sabendo
PUBLICIDADE
Promoções
Podcasts
PUBLICIDADE