Rede Hits FM

MACAÉ
ITAPERUNA
SJB / CAMPOS
PUBLICIDADE

Caixa vai aumentar em 5 anos prazo de financiamento do Casa Verde e Amarela

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email

Caixa vai aumentar em 5 anos prazo de financiamento do Casa Verde e Amarela


Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Caixa
Foto: Reprodução
Caixa
Foto: Reprodução

A CEF (Caixa Econômica Federal) planeja oferecer, a partir do dia 1º de setembro, financiamento imobiliário com prazo de pagamento de até 35 anos para o CVA, o programa Casa Verde e Amarela. Atualmente, o limite de tempo para esse tipo de operação é de 30 anos.

A informação foi dada pelo diretor-executivo de habitação da Caixa, Rodrigo Wermelinger. “A medida vai ajudar a colocar mais gente para dentro desse mercado”, afirma ele. Wermelinger participou de um debate sobre habitação popular com empresários no Secovi-SP (Sindicato da Habitação), em São Paulo, nesta quarta (24), e depois falou com o Estadão/Broadcast.

Segundo ele, ainda nesta quarta o presidente da República deve sancionar a medida provisória 1.107, que amplia o prazo-limite de financiamentos imobiliários com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) de 30 para 35 anos. O Casa Verde e Amarela é o principal destino dos recursos do fundo.

O banco estatal já trabalha com prazo de financiamento de 35 anos fora do programa habitacional, em linhas de crédito que usam recursos da caderneta de poupança. A nova medida é bastante aguardada por empresários do setor da construção, pois o aumento no prazo de pagamento no CVA vai permitir a diluição do valor das parcelas do imóvel ao longo do tempo, estimulando o fechamento de novos contratos.

Pagamento diluído
Um financiamento de R$ 200 mil em 30 anos, por exemplo, gera parcelas iniciais de R$ 1.686, em cálculo baseado nas condições de hoje. Esse valor cairia para R$ 1.607 considerando-se uma taxa de 7% ao ano no Sistema SAC e um prazo de financiamento de 35 anos.

O pano de fundo para a edição da nova medida provisória é a disparada nos custos de construção, que fez muitos empresários suspenderem lançamentos de projetos dentro do programa habitacional, porque as contas não fechavam mais. A partir daí, houve uma articulação dos empresários com o governo federal e o conselho do FGTS para aumentar subsídios à população atendida pelo CVA. A intenção era reduzir as taxas de juros e ampliar a faixa de renda dos beneficiários.

O diretor de habitação da Caixa disse que não espera grandes dificuldades operacionais com o prazo ampliado nas linhas do FGTS. “A nossa carteira de crédito imobiliário é paga pelos clientes em dez anos, em média. Sempre que ganham o décimo terceiro ou um dinheiro extra, procuram amortizar”, contou.

Na média, a inadimplência na carteira habitacional é inferior a 2%. Wermelinger não abre os dados das linhas do FGTS, mas disse que elas estão controladas e não são motivo de preocupação.

Atualmente, a CEF responde por 99,9% dos empréstimos com recursos do FGTS. Até 2014, sua participação era de 80%, e a fatia restante ficava com o Banco do Brasil, que deixou o ramo aos poucos. De janeiro a julho deste ano, as contratações da Caixa no segmento atingiram R$ 34,8 bilhões.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
PUBLICIDADE

Destaques do dia
PUBLICIDADE
Fique sabendo
PUBLICIDADE
Promoções
Podcasts
PUBLICIDADE