Rede Hits FM

MACAÉ
ITAPERUNA
SJB / CAMPOS
PUBLICIDADE

Confiança aumenta na indústria, no comércio e nos serviços em junho, aponta FGV

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email

Confiança aumenta na indústria, no comércio e nos serviços em junho, aponta FGV


Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Compras
Foto - Renato Cerqueira
Compras
Foto - Renato Cerqueira

A confiança dos empresários do comércio, da indústria e dos serviços aumentou no mês de junho, informou nesta quarta, 29, o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV/Ibre). O Índice de Confiança do Comércio (Icom) teve a maior alta, de 4,6 pontos na escala do Ibre, e atingiu 97,4, a maior pontuação desde agosto do ano passado, quando estava em 100,9 pontos. A melhora foi tanto na perspectiva futura quanto na do presente, mas puxada principalmente por esta última, que subiu 7,4 pontos e atingiu 108,5 no total. A expectativa futura aumentou 1,8 ponto, para 87,5. “Para os próximos meses, ainda é necessária certa cautela, o grande desafio passa a ser a continuidade desse cenário favorável mesmo com o fim da liberação de recursos extraordinários, ambiente macroeconômico ainda desfavorável e confiança do consumidor em patamar baixo”, alertou Rodolpho Tobler, economista do FGV/Ibre.

Na indústria, o índice subiu 1,5 ponto e chegou a 101,2. Segundo Stéfano Pacini, economista do FGV IBRE, o destaque da sondagem é o indicador que mede a produção prevista, que chegou a 102,9 pontos, melhor resultado desde dezembro de 2020. “Vemos que, no curtíssimo prazo – horizonte de três meses –, a expectativa do setor ainda registra melhora. Mas ainda há cautela quando se trata de tendência de negócios, que reflete a percepção do setor para daqui a seis meses. Nesse caso, o indicador ainda não voltou para os 100 pontos”, relatou. Houve melhora da confiança em 13 dos 19 segmentos monitorados, entre os quais os de bens intermediários e de consumo não-duráveis.

Já para o setor de serviços, a melhora foi na confiança foi bastante pequena, de 0,4 ponto em relação a maio, e indicou praticamente estabilidade no índice, que está em 98,7 pontos. Em junho, a melhora foi menos disseminada, e puxada principalmente por cinco dos 13 segmentos analisados, e todos tiveram variações pequenas para mais ou para menos. “Entre as que registraram melhor desempenho estão as atividades de alimentação fora de casa, tecnologia da informação e comunicação e serviços administrativos e complementares, dentro de serviços profissionais. Há, entretanto, uma sinalização clara de que o ambiente macroeconômico desfavorável e a incerteza em relação aos próximos meses podem segurar o ritmo de recuperação da confiança no setor”, comenta Tobler.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
PUBLICIDADE

Destaques do dia
PUBLICIDADE
Fique sabendo
PUBLICIDADE
Promoções
Podcasts
PUBLICIDADE